Por que eu devo aprender a programar? E por que eu não devo?

Programar: pro.gra.mar (programa+ar²) vtd (verbo transitivo direto) organizar, delinear ou programação de.

Esta definição foi extraída do dicionário Michaelis Online. Muitas pessoas provavelmente já devem ter ouvido falar sobre o assunto, ou conhece alguém que trabalha, estuda ou tem curiosidade (meu caso). Como todo jornalista, o desconhecido funciona como um petisco para gatos: o animal é atraído, experimenta, se gosta, continua, caso contrário deixa aquele alimento de lado e vai procurar uma outra coisa “mais atraente”. Programar para mim é como o Wishkas para gatos. A cada código finalizado é uma festa: “caraca, está funcionando! Depois de duas, três, quatro horas de teclas e mais teclas pressionadas, eis que surge o meu programa” (URRUL!).

Só aqueles que já experimentaram o mundo da programação conseguem entender a frase acima. Há poucos dias diversos canais de comunicação do Brasil divulgaram a vinda da “Hora do Código” para o país. Motivo de felicidade para alguns e tédio para outros. Temos que considerar que o que é divertido para uns, pode ser tenebroso para outros. Algumas pessoas gostam de Educação Física, certo? Meu caso por sinal. Outros preferem Física, Química, Matemática (eca!). Isso também acontece com crianças (caso você não saiba).

Talvez a vinda do programa de educação em TI, a “Hora do Código”, venha a calhar para as grandes empresas do ramo. Mão de obra jovem e de cabeça fresca sendo formada desde os primeiros anos de vida (vamos delimitar esta faixa etária entre 6 à 17 anos, O.K?). Mas será mesmo que aprender programação é algo tão supimpa? (vovó feelings

hour-of-code-12

Para Bill Gates, Mark Zuckerberg, will.i.am (sim, will.i.am), Chris Bosh (sim, Chris Bosh), Jack Dorsey, Tony Hsieh, Drew Houston, Gabe Newell, Ruchi Sanghvi, Elena Silenok, Vanessa Hurst, e Hadi Partovi, programar é sensacional! Ajuda a desenvolver as capacidades cognitivas da criança (e dos adultos), estimula o aprendizado, ajuda na organização das ideias e a estipular metas e objetivos. Mas pera, o que todas essas pessoas famosas tem em comum? Bem, eu já disse né? São famosas. Mais alguma coisa? Sim! O interesse por programação foi motivado pelas suas necessidades.

Como já disse: programar é como um petisco. Melhor dizendo, é como um Doritos! Você come um, dois, três e quando vê o saco está mais vazio do que antes (apensar de que pacotes de Doritos vêm praticamente vazios). Mas fica o alerta: para quem deseja aprender a programar, consequentemente se assume como alguém que eu gosto de chamar de “Lobo Solitário”. Por mais que você tenha auxílio de um instrutor (quem dera ter um Bill Gates, um Mark Zuckerberg ou um Jack Dorsey ao meu lado me ensinando) você provavelmente vai aprender mais sozinho do que com alguma outra pessoa.

Caso você se sinta como um “Lobo Solitário” da programação, bem vindo ao clube. Por acaso, se já conhece este meio mas está sentindo alguma dificuldade em desenvolver suas habilidades, alguns sites podem lhe ajudar nesse caminho, como, por exemplo, o Codecademy (que possuí um site bem interativo), Udacity (vários vídeos animados e instrutivos, mas em inglês*) e o primeiro programa brasileiro de ensino a distância (MOOC) focado na linguagem Python, o “Python para Zumbis” do Fernando Masanori (fera).

logo_blue_darkAdvance Your Career Through Project Based Online Classes   Udacity python2

Na ordem: Codecademy, Udacity, e Python para Zumbis

*: Acredito que o primeiro passo para aprender a programar, de fato, é aprender o inglês. Afinal, o mundo inteiro fala a língua inglesa e a programação é 100% baseada nela.

Aproveito esta parte do texto para mencionar algumas palavras que um colega já me disse: “sempre gosto de ter mais de uma fonte de aprendizado, um canal que tenha bons vídeos, um livro (ou dois) e um site para me guiar”. E outro aviso: programar pode ser frustrante. Já tive vontade de criar páginas formidáveis como as do Google, Microsoft e afins, mas sempre me chateei com o resultado. Segue a dica: NÃO TENTE FAZER ISTO! Milhares de profissionais trabalham 24h por dia boa parte do dia para desenvolver páginas perfeitas: leves, fáceis de navegar e bonitas.

Comece por baixo, aprenda o básico, adquira segurança e pratique. Alguns grupos podem servir de base para o aperfeiçoamento das habilidades (quando já estiver em um nível mais avançado) como, por exemplo, o Google Developers Group e o Mozilla Developer Network.

developers_logo

Mozilla

Enfim, não desista das suas vontades! Independente da área de atuação, experimente coisas novas! Mas cuidado! Programar é viciante!

———————

avatar_lucas_portilhoLucas Portilho
correio.portilho@gmail.com

Alguns o chamam de nerd, CDF ou geek, mas na verdade é tudo isso e mais um pouco! Tem mania de pesquisar tudo sobre tecnologia. Gosta de jogos eletrônicos e seu esporte favorito é o… Hockey Sobre a Grama (heim?). Pessoas sedentárias têm sua simpatia (afinal é uma delas). Quote: “May the force be with you, or not, you can choose!”

Anúncios

5 opiniões sobre “Por que eu devo aprender a programar? E por que eu não devo?”

  1. Enquanto eu estava terminando o curso de Comunicação fiz 5 períodos de Sistemas de Informação porque sempre me vi na metade do caminho, entre tecnologia e Comunicação. Aprendi o básico de programação estruturada. Lembro que o primeiro “programa” que fiz foi um sisteminha de biblioteca em Pascal, que rodava a partir de um disquete!! rsrsrrssr… Lá pelo 5º período entrou programação orientada a objetos e percebi que esse nível de raciocínio lógico não era minha praia. Fiquei com a Comunicação mesmo, mas sem dúvida programar dá uma sensação de “criação” muito bacana!

    Curtido por 2 pessoas

    1. Programar é de fato muito agradável. Mas se levarmos em consideração toda a linha de raciocínio que é necessária para o desenvolvimento de um software (por exemplo), meu cérebro já começa a escorrer pelos ouvidos. É por isso que a gente gosta de Comunicação: por ser uma ciência hibrida. Temos a liberdade para nos especializar em diversas vias. Ou seja, coisas que não compete a nossa área de atuação. Por sinal não só a programação, mas também tenho uma grande queda por design gráfico!

      Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s