Arquivo da tag: sala313

[SPOILER ALERT!] Motivos para considerar Kylo Ren como o melhor “vilão”de Star Wars

Seguindo um enredo heroico, o sétimo episódio da saga Star Wars está sendo considerado como um dos melhores. Para quem já assistiu ao longa – e acompanha a narrativa há algum tempo – percebeu que o diretor de The Force Awakens não só bebeu da fonte dos antigos episódios dirigidos por George Lucas, mas também mergulhou de cabeça no roteiro “original” – se é que me entende.

Dentre as personalidades apresentadas neste episódio VII, gostaria de destacar o novo “vilão” da trilogia: Kylo Ren. Filho de Han Solo e Leia Organa – portanto neto de Anakin e sobrinho de Luke Skywalker – o Jedi sombrio tem como nome de batismo, Ben Solo. Nomeado como um dos líderes do extinto Império Galático e atual Primeira Ordem, Kylo é aprendiz do Lorde Sith Snoke e responsável por desequilibrar a balança à favor do lado negro – irei explicar o porquê a diante. Continuar lendo [SPOILER ALERT!] Motivos para considerar Kylo Ren como o melhor “vilão”de Star Wars

Determinar o assunto de um post é uma #arte

Normalmente, quantas vezes você utiliza o caráter especial “#” nas redes sociais digitais? Imagino que pelo menos uma vez por dia você posta uma foto, uma frase ou um link com uma hashtag em seguida. Para muitos esse comportamento já é uma rotina, mas será que a aplicabilidade destes “assuntos” é empregado de forma correta?

Vamos começar a nossa conversa com uma pergunta: qual é a real função do “#” em um texto da internet? Se a sua resposta for:  “deixar o conteúdo mais bonito”, você acaba de perder uma amizade – estou falando sério! – Mas caso você tenha cogitado a resposta: “essa é fácil! A função é tornar o conteúdo “buscável” em meio a uma gama de informações indexadas na internet!” posso considera-lo meu amigo de infância! – só que não. Bem, um sinônimo bem próximo em português que podemos substituir o caráter “#” é o bom e velho: assunto.

Games, tecnologia, filmes, séries, música eletrônica, animes, mangás e etc. Todas essas palavras são potenciais assuntos buscáveis na internet, certo? Agora, imagine um assunto chamado: “hojeodiavaiserdemais” ou “aniversáriodalucinhahojeatarde” e até “essasemanafoiumaporcariameudeusdoceu”? Acho improvável que alguma pessoa deste universo – ou de qualquer universo desconhecido pelo homem – iria buscar um assunto como os descritos anteriormente.

É importante ter um bom senso na hora de indexar um assunto em uma postagem na internet, porque é através dele que novos usuários irão descobrir o conteúdo que publica normalmente. Irei listar três exemplos das “#’s” que se comportam de forma completamente diferente na rede:

Facebook_logo_(square)

Facebook

“Amado por vários e temido pelos sábios”. Devido ao seu algorítimo mirabolante, se você não puder tirar alguns trocados do seu bolso para impulsionar o conteúdo da página, provavelmente a sua empresa, negócio ou organização nunca será vista pela massa “populacional” de mais de 1 bilhão de usuários que povoam a rede social em todas as partes do planeta. E, sinceramente, #’s não alcançam leitores de forma efetiva na rede social de Mark Zutemberg. Arrisco dizer que apenas 10% das pessoas que foram alcançadas organicamente são capazes de ver os assuntos “lançados” por uma página na rede social.

Twitter_logo

Twitter

Um dos microblogs mais conhecidos da face da Terra, o Twitter é um dos percursores no uso da @’s (se diz ats, do inglês) para a indexação de perfis e #’s (hashs) para a indexação de assuntos na rede mundial de computadores. Provavelmente o uso dos “assuntos” na rede social é o mais propenso para engajamentos do público, segue a mesma lógica do Facebook e outras redes: “menos é mais”. Se você puder variar o número de tags ao invés de incluí-las em uma única, não pense duas vezes, “do it!” – faça isto!.

instagram-logo

Instagram

Queridinho pelos amantes de fotografia, o Instagram é a melhor rede social fotográfica do planeta. Hoje parte do Facebook, o “Insta” é um outro exemplo de um bom “condutor” de assuntos na internet. Faça a experiência: compartilhe uma foto sem uma “#” e outra com. O número de pessoas “curtindo” a foto que compartilhou é expressivamente maior se vinculado com uma tag simples (#tbt é um bom exemplo). Em segundos, uma pessoa – que provavelmente está esperando um ônibus, um amigo, ou para ser atendido pelo médio – irá curtir a foto que acabou de fazer o upload.

É isso querido leitor, na próxima vez que for compartilhar um conteúdo na #internet, não se esqueça das #dicas que acabei de lhe dar. E lembre-se! “Menos é mais” no mundo das #tags.

Se você é apaixonado (a) pelo Google, acompanhe esta série “right now!”

Carros guiados por computadores, balões de hélio que levam o acesso a internet a lugares humildes, um aplicativo capaz de traduzir quase todas as línguas faladas pela humanidade. Parecem projetos de filmes de ficção científica, mas são tão reais quanto a voz que ecoa na sua mente durante a leitura deste texto.

googlex_logo Continuar lendo Se você é apaixonado (a) pelo Google, acompanhe esta série “right now!”

Nostalgia: se lembra dos MP3, MP4, MP5, MP6?

Eram tantos! Até o final da década passada, tínhamos vários desses aparelhos que eram febre entre o público de 15 a 30 anos. Com o tempo, foram substituídos pelos smarthphones e outros gadgets. Assim como atualmente é moda trocar os modelos do iPhone, era uma prática trocar os “Mp’s” conforme iam surgindo os lançamentos. Hoje ele não são tão lucrativos, devido a existência de aparelhos que oferecem serviços de streaming e On Demand, que atualmente representam 51% das vendas digitais no Brasil.

Após esta introdução… uma curiosidade…

Já se perguntou por que existem apenas aparelhos multimídia a partir do número 3? Onde estão o MP1 e MP2? De acordo com o portal Olhar Digital, o MP1 e MP2 são formatos de compressão de arquivos de áudio que recebem, respectivamente, as extensões “.mp1″ e “.mp2″. Eles apresentam uma baixa qualidade nos arquivos comprimidos e também uma alta taxa de compressão. Devido a esses fatores, o MP1 e o MP2 não são muito utilizados para áudio. Nos anos 90, eles serviram para atender algumas necessidades de aparelhos de TV.

Então, vamos relembrar? Continuar lendo Nostalgia: se lembra dos MP3, MP4, MP5, MP6?

Between é uma série que conta sobre um vírus assassino de adultos

A nova aposta da Netflix é a série “Between”. Escrito e dirigido por Michael McGowan (“Em Busca De Um Milagre”) conta sobre uma epidemia que se espalhou na pequena cidade de Pretty Lake. Tal praga é responsável por matar todos acima de 23 anos, restando, assim, apenas jovens. O clima da série se desenvolve a partir dos conflitos que se instalam antes das mortes e se acentuam após uma parte da região se transformar em zona de quarentena.

Between

Continuar lendo Between é uma série que conta sobre um vírus assassino de adultos

Rolling Girls: Viajando e conquistando o Japão!

Para quem ainda não teve a oportunidade de ver o anime de Rolling Girls, o Sala 313 Media Lab te apresenta essa turminha!

Produção fresquinha da Wit Studio, com direção de Kotomi Deai e roteiro de Yasuyuki Muto, as quatro meninas, Nozomi, Yukina, Ai, e Chiaya, vão te arrancar boas risadas em batalhas brilhantes – isso mesmo, brilhantes! 

z0sNr1H

Continuar lendo Rolling Girls: Viajando e conquistando o Japão!

Assim que aparecer uma ideia tome nota!

De onde vem as ideias? Não me refiro as ideias aleatórias, mas as boas. Os mais espertalhões vão dizer: “da cabeça né seu sonso?”, mas não é por esse lado que eu quero levar este texto. Vou lhe contar o que eu faço para ter boas ideias, e mais, o que eu faço para elas se manterem frescas o suficiente para executa-las quando forem possíveis. Falo sobre possibilidade, pois todos nós sabemos das dificuldades financeiras, técnicas e organizacionais que enfrentamos diáriamente. Infelizmente, boas ideias exigem certos recursos que, no dado momento, inviabilizam que o processo criativo “deixe o papel”.

1. Tome notas:

Parece besteira, mas o costume que os jornalistas tem de anotar tudo que as pessoas falam, as próprias ideias  e até cenários, não é por acaso. Algumas pessoas possuem a facilidade de lembrar de coisas que viram, sentiram ou tocaram, mas todos nós possuímos imperfeições. Uma delas é a capacidade de lembrar exatamente tudo que aconteceu em um dado momento e local. Coisa que, na minha opinião, é impossível de se fazer nos dias de hoje. Temos tantas atrações para nos distraír, que muitas vezes as nossas ideias se diluírem no meio de tanta informação. Acaba que, as vezes, um papel e um lápis fazem falta. – eu sempre carrego comigo um “livro de ideias”, nele eu escrevo todas as ideia interessantes que vem na minha cabeça. Te estimulo a ter algo do tipo, e que este artifícil esteja contigo sempre. 

2. Mais do que tomar notas, grave a sua voz:

Acredito que um gravador de voz seja mais utilizado por um jornalista, um profissional que zela pela fidelidade das informações. Mas e fora da profissão de comunicador? Para que serve um gravador? Eu gosto muito de ouvir rádio, música, escutar poadcasts e etc, e este gosto por sons, me instigou a comprar um gravador para que, além de tomar notas, o ato de gravar a minha voz seja um complemento para o meu aprendizado. Algumas pessoas aprendem melhor escrevendo, só lendo, ouvindo, assistindo ou interagindo, e todos os nossos sentidos participam deste processo de absorção de informação. – atualmente eu estudo inglês com um gravador de voz perto de mim, utilizo o dispositivo, principalmente, para treinar a minha pronunciação. Mas para além do estudo, você pode utilizar o gravador para registrar as suas ideias repentinas, no ônibus, na praça, ou até durante a aula. 

3. Leia, leia e leia:

A leitura é uma ferramenta mais do que poderosa para adquirir conhecimento para o desenvolvimento de novas ideias. Não adianta você ser uma pessoa criativa se “o saco está vazio”. Ter acesso à informação é algo relativamente tranquilo nos dias de hoje. Mas ser capaz de interpretar aquela informação ao ponto de instigar o desenvolvimento de novas ideias, é uma tarefa que leva tempo, disposição e até um pouco de sorte. – ao escrever este texto, eu precisei de abrir uns três jornais online para vir a inspiração de lhe aconselhar a tomar nota das suas ideias. A inspiração não veio destes sites, mas do ato de olhar para o lado e ver meu carderno de ideias. Uma dica: estímulos geram ideias! 

4. Por falar em estímulo…

Eu sou uma pessoa muito preguiçosa. E esta preguiça reflete em uma série de coisas que eu faço durante o dia. Seja na leitura de um romance, seja durante o trabalho e até na cadeira da faculdade. Eu sou uma pessoa essêncialmente noturna. Acordo às 10 horas e durmo às 3 horas da manhã. Meu cérebro só compreende que eu preciso de prestar atenção em algo, quando eu tomo um bom gole de café. Daí, vem o estímulo. – eu não o aconselho a consumir café de forma desordenada, pois caso você não saiba, a cafeína é um estimulante corporal que possui a função de reaproveitar as energias do corpo, o mesmo vale para o energético. Se você está cansado, e não teve uma boa noite de sono, nada no universo será capaz de lhe dar energia suficiente para abosorver algum tipo de informação. Descanse, concentre e tenha boas ideias!

5. A pressa é inimiga da perfeição. E das ideias também:

“Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, já diziam os sábios. Eu não sou a pessoa mais passiente do mundo. Muito pelo contrário, sou o tipo de ser mais estressado que a natureza já teve notícia. E as vezes o acúmulo deste sentimento impede que eu tenha boas ideias. Pior do que isso, bloqueia certos tipos de informações que poderiam ser úteis não somente no campo das ideias, mas na prática do dia a dia também. – seja calmo com o que faz. Não sinta-se afobado para terminar um projeto, um estudo, um desenvolvimento de um trabalho ou ideia. Caso se sinta estressado com algo, leia um bom livro, é comprovado que a leitura é capaz de relaxar o corpo e a mente.

Espero que com estas dicas você possa criar, inventar e desvendar muitas ideias. Brevemente irei escrever sobre alguns livros que podem ajudar a você ter dias melhores e mais criativos.

Trailer de “Lucifer” é finalmente lançado pela Fox!

Baseado nos personagens de quadrinhos criados por Neil Gaiman (autor do famoso quadrinho Sandman), Sam Kieth e Mike Dringenberg (DC e Vertigo), Lucifer conta a história do anjo caído original que resolve abandonar seu posto como Príncipe do Inferno e uma vida tediosa para viver em Los Angeles, como dono de uma boate, a Lux.

Lucifer

Após presenciar um assassinato em frente a sua boate, Lucifer (Tom Ellis), pela primeira vez em anos, sente algo acordar dentro de si e se dispõe a ajudar uma detetive do LAPD, Chloe Dancer (Lauren German de Chicago Fire), o que acaba deixando o Diabo intrigado pela pureza e bondade de Chloe, que após anos lidando com o pior que a humanidade tem a oferecer, faz com que ele tenha esperança em sua propria alma.

Até que Lucifer acaba se encontrando em um jogo de guerra entre o bem e o mal onde ele é o principal jogador.

 Lucifer tem data prevista para estreia em 2016 na Fox. Porém, sem data prevista para a estreia no Brasil.